Menu

Yangos apresenta clipe gravado em Portugal

18 SET 2018
18 de Setembro de 2018

É ao som de Gaita ou Sanfona, no ritmo de uma cativante “chamarra”, que o grupo YANGOS apresenta nesta segunda-feira, 17, seu mais recente clipe, gravado em apenas oito horas nas freguesias de Graça, Alfama e Alcantara, em Lisboa, Portugal. Trata-se do seu vídeo mais bem produzido, com captação e edição de imagens que traduzem muito da energia e do profissionalismo do grupo de Caxias do Sul, na Serra Gaúcha, hoje referência na música latina instrumental no sul do Brasil.

O esmero com a produção tem uma justificativa técnica, a expertise da equipe da produtora portuguesa Wondr, coordenada por Pedro Coelho. Mas tem também – e muito – uma relação de amizade e cumplicidade entre o diretor do clipe, o caxiense Filipe Mello, e a YANGOS. Radicado há um ano em Lisboa, Mello recebeu os amigos por lá durante uma breve parada que o quarteto fez em Portugal antes de seguir para a Rússia, onde se apresentou durante a Copa do Mundo, em julho.

A fotografia de Maurício Franco, que divide a direção com Mello, e a produção de Carine Panigaz dão ao clipe beleza estética e dinamismo, conceituando as cenas com a descontração típica da YANGOS. “Nunca tivemos pretensão de fazer algo extraordinário, estávamos todos ali para celebrar o nosso encontro aqui na Europa. Foi tudo meio no improviso, mas com suporte profissional. O clipe é uma celebração da amizade, nada mais do que isso”, resume Mello.

Para o tecladista e autor de Gaita ou Sanfona, Mello era a pessoa certa para fazer o clipe. “Essa música busca minimizar as diferenças, desfazer os rótulos. Por exemplo, não importa se chamamos gaita ou sanfona, o que importa é criar, tocar, fazer a coisa acontecer. E o vídeo mostra isso, nossa linguagem estética visual, quem somos e a nossa proposta por meio da música instrumental. O olhar do Filipe foi certeiro nesse sentido”, destaca Casara.

Confira o clipe de Gaita ou Sanfona:


A YANGOS

Formado por César Casara (piano), Cristiano Klein (percussão/cajón e bombo leguero), Rafael Scopel (acordeon) e Tomás Savaris (violão), é um dos grupos referência da música instrumental sul-brasileira. Faz da união desses instrumentos um encontro cheio de energia, transmitida por ritmos como milonga, vaneira, chacarera e chamamé, misturados com um punhado de performance rock e uma pitada jazzística. Em 13 anos de carreira, o quarteto soma cinco álbuns, um DVD, uma premiação e três indicações ao Prêmio Açorianos de Música (2015/2016), uma menção honrosa no Festival Audiovisual da Serra Gaúcha (2017) e uma nominação ao Latin GRAMMY Awards ® (2017). Foi selecionado com outros 10 grupos do Brasil para apresentar-se durante a FIFA World Cup 2018, Moscow/Russia. Conquistou público e crítica de todas as regiões do Brasil e em mais de uma dezena países em todas as três Américas e Euro-Ásia.


Por Fabiano Finco / Ricardo Dini
Crédito da imagem: Produtora Wondr


Voltar

Confira as nossas redes sociais

Tenha também o seu site. É grátis!