Menu

O Barulhinho Do Domingo

25 AGO 2018
25 de Agosto de 2018

A EMBAIXADA DO ROCK promove nos seus domingos shows que começam cedo pra terminar cedo (dá pra ressaca fazer uma visitinha ainda antes da manhã assustadora de segunda-feira).
Fomos, eu e Tavi, minha esposa\parceira de vida, assistir os shows de VENÉREA, BRISOCKS, CONVERSO, PESTO BIZZARRO, ELETROVÁLVULAS, PODRIDÃO DE GUAÍBA, e tentar vender uns zines e livrinhos pra que a diversão seja sem culpa.


ELETROVÁLVULAS - No início, me pareceu uma banda influenciada pelo b-rock 80. E, sim, há tal influência via Barão Vermelho. ”Rock and roll, meu amor, alucina...”diz uma das letras.Mas o peso e a qualidade instrumental os aproximam muito mais de bandas foda como Patrulha do Espaço e afins. Os cacoetes rock and roll são usados com bom gosto e sinceridade. Paulera!!, diria um amigo meu.
.

PODRIDÃO DE GUAÍBA - Gurizada enfezada. Abriram com cover dos Garotos Podres e daí por diante, se desenrolou um grande show com vocal podreira\poderoso, de um vocalista entre Jello Biafra e João Gordo. As músicas autorais vem naquela pegada do SUB, de deixar festeiro qualquer um. As músicas próprias são foda. Terminaram tocando FESTA PUNK, como se fossem uma música dos GERMS.


PESTO BIZZARRO - Pesto é palhaçada demente. É o penúltimo quadrinho da Piada Mortal do Alan Moore. É a ironia que afasta, já que ironia é uma língua morta. É o Faith No More de Angel Dust, com o humor do Real Thing. Melhor formação que já vi da banda. Muito bem tocado e (sim!)muito bem cantado. É exagerado, escrachado, divertido e MUITO BOM! A interação do vocalista, Sandro Bardini, com a plateia é hilária. Parece um stand up desvairado. FÓDA!


BRISCOCKS - banda de Santa Maria. Barulhenta e alta, muito alta. Que belo show! Com um som que transpira Stooges,MC5,New York Dolls e Hellacopters, e um vocal curtido em Bourbon e fumaça de casa noturna. Espero vê-los logo, novamente! Energia anfetamínica. Ou, como falamos por aqui: Uma grande stoogera!


CONVERSO - contagiante e divertidíssimo. Punk-Rock-pop raivoso e bem tocado. Sem papos furados ou pieguices que algumas bandas do estilo curtem  se aproximar. Melodias grudentas e ótimas de ouvir entre as guitarras altas e a bateria destruidora. Belo show!


VENÉREA - Pra fechar de um jeito bacana: mais distorção, mais vocais, bem executados, com energia e fúria. Os covers empolgaram e o som autoral ainda mais. Baita banda!


Bom fechamento! Uma saideira com meu amigo Gabriel Renner, conta encerrada e, antes das 23 e 30, já estávamos em casa, felizes e satisfeitos pelo domingo que tivemos.

Texto: Everton Luiz Cidade
Fotos: Pablito Diego


Everton Luiz Cidade é músico e escritor.
Publicou os livros: Santo Pó/P, O Bonde Transmutóide, QuiÓ e ApareCida.

Voltar

Confira as nossas redes sociais

Tenha também o seu site. É grátis!