Menu

Até quando o machismo vai buscar respaldo na desculpinha: ‘era só brincadeira’ ou ''eu bebi demais'?

21 JUN 2018
21 de Junho de 2018

Mais uma vez os brasileiros conseguem dar uma bola fora na Copa do Mundo! E não estamos falando de jogo, estamos falando de MACHISMO, termo esse que leva o Brasil a alcançar muitos rankings, como ser considerado o país que mais mata LGBTS, além de apresentar altos índices de violência contra mulher (a cada 2 segundos uma mulher é vítima de violência física ou verbal no Brasil).

Pois bem, como já circulou amplamente nos sites de redes sociais, um grupo de brasileiros fez uma mulher russa repetir palavras de baixo calão e deboche sobre seu corpo, que sem entender nada, repetiu inocentemente em meio ao riso dos homens. Não bastasse todo esse assédio e ridicularização, a mulher foi exposta a mais humilhação, pois os omi acharam divertido gravar um vídeo com essa cena para divulgá-lo.

Alguém parou para pensar em como deve estar o psicológico da vítima depois disso tudo? Infelizmente essa atitude não é um caso isolado, diariamente nós mulheres sofremos assédio, discriminação, preconceito, apenas pelo fato de sermos mulheres. Não aceitaremos esse tipo de "brincadeira"! Com o pretexto de ser apenas uma brincadeirinha, ou relegando a culpa ao consumo de álcool, o machismo segue se perpetuando e fazendo vítimas, como os dados do Instituto Maria da Penha, que demonstram que a cada 2 segundos uma mulher no Brasil é vítima de violência física e verbal e a cada 1 segundo e meio é vítima de assédio. Isso não é brincadeira, isso é muito grave. É violência contra a mulher! É CRIME!

Ademais, também não podemos esquecer do contexto ideológico do país onde a Copa está sendo realizada. A Rússia possui um governo conservador, que condena a liberdade de expressão, possui postura machista e violenta LGBTs. O Brasil que queremos é onde os brasileiros deem tanta atenção para essas questões ligadas ao machismo e preconceito como dão para o futebol masculino.

É lamentável brasileiros saírem do país e protagonizarem esse papelão internacional, mas o mais preocupante é saber que eles ilustram a sociedade machista em que vivemos. Nós mulheres nos sentimos invadidas, desrespeitadas, humilhadas com atitudes machistas como esta que ocorreu por parte de brasileiros na Rússia. Não importa a nacionalidade da mulher, queremos respeito em qualquer parte do mundo. Não vão nos calar! Juntas somos mais! Respeitem as minas!


Por Tamara Finardi e Andreia Maidana - O Pódio É Delas

Voltar
Tenha você também a sua rádio