Menu
Disponível no Google Play

Fernando Motta lança seu segundo disco "Desde que o mundo é cego"

10 NOV 2017
10 de Novembro de 2017

"A noite na minha frente/ninguém mais pra ver/de novo eu tenho que decidir tudo que foi ou vale o mundo antes de conseguir dormir". Por meio da faixa "A Noite", em pouco mais de um minuto, Fernando Motta apresenta o conceito de seu segundo disco, "Desde que o mundo é cego", lançado ontem (8) pelo selo Geração Perdida de Minas Gerais.

Com dois singles lançados há pouco mais de três meses, "Impulso pra Voar" e "Futebol (Colônia de Férias)", o disco agora revela sua montagem final, que logo depois da introdução passa por outras três fases antes de chegar ao encerramento: fuga, lembrança e enfrentamento.

O disco tem participação de dois outros integrantes da Geração Perdida. João Carvalho (Sentidor/Rio Sem Nome/El Toro Fuerte) produziu e tocou baixo nas quatro faixas com banda completa, que contam ainda com as baterias de Fábio de Carvalho. Fernando toca os demais instrumentos: guitarra, violão e piano.

O sucessor de "Andando sem olhar pra frente", apresenta um conjunto ainda mais íntimo que o disco de estreia. Violões ricos em texturas, harmonias, vozes ora dobradas, ora quase sussurradas, guitarras sutis, que explodem poucas vezes e em momentos até inusitados. Parte do disco foi gravado por Fernando sozinho em seu quarto.

"Parece que as músicas tinham que sair com essa sonoridade, principalmente as acústicas. Mas não é uma coisa que funciona sempre, é o que eu imaginava especificamente pra esse disco. Eu nunca deixaria que algo desleixado estivesse no projeto final. Pelo contrário. Acho que é o trabalho mais cuidadoso que já fiz. Tivemos o cuidado pra que nada muito montado e artificial entrasse. Acho que as baterias têm muito disso também, não são lá muito convencionais. Toda vez que eu ouço, sinto que o Fábio está ali tocando na hora. Também vejo isso na capa e contracapa do disco, na coisa meio rascunhada, em fazer disso uma coisa bem pensada, não simplesmente jogada", conta.

Processo

No texto divulgado junto do lançamento do disco no Bandcamp, Fernando conta como as composições surgiram e foram escolhidas para o disco:

"das noites no meu quarto dos momentos em claro ou dos instantes antes de dormir, da lucidez ou das ideias que saem da espécie de delírio que passeia entre nossas fases do sono
de ler no computador ou de acordar repentinamente com uma percepção tardia, mas urgente o bastante pra nos fazer levantar da condição e de qualquer conclusão desde que seja, desde o que é da fuga, das lembranças, do enfrentamento"

Ouça o disco, acesse as letras e outras informações nos links:
Bandcamp
O disco deverá estar no Spotify e outros serviços de streaming ainda nesta semana.



Por Edson Kah via @lupedelupe
Foto Fernando Motta: Tiago Baccarin

Voltar
Tenha você também a sua rádio