Menu

Travessia por Luciano dos Santos

22 SET 2017
22 de Setembro de 2017

Devaneio

O som intermitente das ondas do mar que não existia naquelas paragens; desenhou no tempo do imaginario o testemunho comprobatório do que os olhos viram e que só os delírios momescos encontraram  explicação. Enredo ou procissão, naquele dia o tempo tornara-se suspenso; e, bailando compassado e devotadamente, também consagramos nossos corações - junto aos da Mãe e Filho -  aos auspiciosos olhos sirênios da bela dama que me visitou. 

Maria - Mãe dos filhos teus! E, yemanja/ Yà-Omo-Ejà - a Mãe cujos filhos são peixes; imbricam-se no canto de figuras arquetípicas ao tornarem-se híbrido/ mestiços para, perplexos com a latência visual que propõe, reafirmar sua pertinência brasileira, despudorada e propositadamente alegóricas em suas memórias imaginadas. 

Assumidamente carnavalizadas, trazem seus elementos compositivos e atuantes, junto e em meio a um público e, desfilantes, deixando de ser céu cristão ou terreiro africanista - nem tampouco avenida de desfile - quebram a linearidade e regras pré-impositivas que os dogmas trazem. Chamando os "filhos seus" à experimentação da vida via tensão de elementos díspares, complementares, num trajeto / TRAVESSIA.


Com sabor de maresia e rebeldia de vento norte! ... "Levando pro mar adentro! Pras ondas do mar salgar!" Nos chamam e clamam ao vislumbre visual afinal, tais "entidades" possuem só olhos de ver e não bocas de contar o que vêem e o porque de estarem ali em travessia.
...
Tu serias se, fosse!
Ela foi, sereiando...
Nós seríamos
Vós fostes?
Eles seriamente até seriam.
Eu sereia!
...

Lá me vou em TRAVESSIA... Não sou Colombo mas vejo sereias!

Em travessia levando oferendas, não sei se à Maria ou Yemanjá... Talvez para as duas!  Num maracatu sem calunga, num cortejo sem rainha, num desfile sem bateria! Coroa, pomba cantoria!  Sereiando ao cruzar este mar de gente... em TRAVESSIA parto de aqui para acolá... Ou volto de acolá para aqui?... Não sei! Entre concentração e dispersão um desfile de louvação... Entre passado e futuro um presente devoto e impensável... Entre os extremos desse ir - um mar de gente! Imaginários ilusórios ou de ilusões imaginadas onde "a minha alegria atravessou o mar e ancorou na passarela"!

E o que se presenciou no tempo do imaginário de tão deslumbrante que me fizesse estar  aqui hoje a atravessar este mar de gente? ... "Em águas claras naveguei... aqui cheguei! Vindo em busca de riquezas e belezas me encantei!" E, encantado chamo! conclamo! fiéis, "cavalos",  desfilantes!  "para num gesto encantado o mar virar passarela"! ... e descobrir mesmo que "ela mora no mar, ela brinca na areia"...  No mar dos meus anseios! Delírios! Devaneios! 

Ao se deixar guiar pelo ir da TRAVESSIA vou me encontrando a cada olhar do caminho - em espanto, em questionamento, em incredulidade ou parceiro de folia - re afirmando pertinências e pertencimentos tão meus, tão caros que, feito visão onírica ou delírio de Momo, registram no tempo do "ir", meu tempo de "viajar"!

...

Tu terias coragem de ir?

Ele foi!

Nós, até tentamos, ainda ir.

Vós! Por quê?

Eles foram...

Eu, sigo, Sereia!

...

Sigo em TRAVESSIA... " um oceano de sonhos sobre o mole oceanos de duras vidas" afinal, a vida embalada sobre a "água" relaxa a atenção, leva-nos, adormece-nos e, devolve-nos à nossa Mãe!

Exposição

Dois anos atrás tomado de coragem por romper os suportes tradicionais aos quais sempre instauro o trabalho, empreendi uma ação performática onde, partia em "travessia” num mar de gente e ali já me punha em dúvida...se eu ia ?...se eu vinha?... .o certo era o ato da travessia.  

O ato de estar sempre indo ou vindo de um local ao outro, num caminho sem destino final; o desenrolar do próprio caminho sempre em transformação que, ao longo do caminhar nos deixa constantemente no ato do atravessar; percorrer.

Da concentração à apoteose; da igreja da matriz à igreja da padroeira; do terreiro à encruzilhada; foram os motes do ato.  E assim me fui em travessia e, tomado pela sua força efêmera novas maneiras latentes de instauração se fazem presentes hoje, após este período de gestação e latência das impressões causadas pelos olhares que assistiam meu deslocamento de travessia. 

Certo que de todos os percursos com os quais me envolvi e fora envolvido pelo trabalho é a constatação de algo que já a tempos vem se processando no fazer – o assumir-se da procissão religiosa (com a figura onipresente da Virgem Maria) para, o cortejo Momesco! Onde, o todo imbrica-se no onírico e devaneio da dúvida e do mistério. 

Assim, TRAVESSIA se apresenta hoje de forma perene (por mais efêmeras que sejam as possíveis montagens que se podem efetuar com suas partes individuais) e, convido todos a vislumbrar comigo as impressões desses olhares tantos que, tanto marcaram na pele escamada  da bela sereia que me acompanha!


O que: TRAVESSIA por Luciano Santos

Quando: de 03 de outubro a 01 de novembro de 2017

Onde: MASM – Museu de Arte de Santa Maria / Avenida Presidente Vargas 1400

Horário de Visitação: das 8h às 12h / 13h às 16h

Quanto: Gratuito / Escolas podem agendar visitação

Voltar
Tenha você também a sua rádio