Menu

África e cultura dos povos originários inspiram jazz futurista do Lavoura

07 NOV 2019
07 de Novembro de 2019

Formado há 16 anos, o Lavoura é referência de jazz futurista feito no Brasil. Em 4/12, o grupo lança mais duas músicas, após a série de singles iniciada em 2018.

"Ayizan" é a primeira faixa da nova leva. Climática, a faixa traz em seu DNA o ritmo brasileiro e a psicodelia, amplificada pelos arranjos e a produção cuidadosa, que conferem tom épico à sonoridade, sem perder o groove característico.

O outro single, "Mãe D´Água (Bossa Explotation)", remete às pesquisas antropofágicas envolvendo música de matriz africana e latina. É resultado de sessões de improviso que o grupo realizou entre 2017 e 2018.

Formado por compositores, produtores, arranjadores, beatmakers, músicos, artistas visuais e inventores, o Lavoura faz um som cinemático, inspirado pelos conceitos do phusion (fusion do século 21) e da psicogeografia sonora (transformar o espaço em experiências sensoriais).

Lavoura: Caleb Mascarenhas (synths, beats); Fabiano Alcântara (baixo), Fernando TRZ Falcoski (synths, piano elétrico, beats); Junião (percussão, beats); Marcelo Monteiro (sax, flauta); Thiago Duar (guitarra, beats) e Paulo Pires (bateria, drum machine, beats). E os artistas visuais Carlos Pedreañez e Rodrigo ZoomB.


Sobre o Lavoura
 
Surgido em 2003, batizado em homenagem ao romance Lavoura Arcaica, de Raduan Nassar, no contexto da cultura do sample e da estética do arrastão, o Lavoura sempre atuou nas zonas fronteiriças da eletrônica, jazz, cultura popular, herança dos povos nativos e da África.
 
Em 2005, dois anos após ser criado como dupla e lançar a demo Raízes Aéreas (2003) e o álbum Máquinas Híbridas (2004), o grupo se estabeleceu como um quarteto e passou a soar mais orgânico, mesclando groove setentista com eletrônica e se aproximando de subgêneros como future jazz, neo bossa e broken beats.

Esta formação de quarteto durou nove anos e resultou em Kosmophonia (2008) e Nu Steps (2011).  O grupo passou a ser um quinteto em Photosynthesis (2014) e um septeto na série de singles, que se iniciou com "Ametista" e "MM Moods" ( 2018) e continua com "Ayizan" e "Mãe D´Água (Bossa Explotation)".

Por Fabiano Alcantara
Foto: Flicker/Lavoura


Voltar

Confira as nossas redes sociais

Tenha também o seu site. É grátis!