Menu

Falando sobre silêncios e distâncias, Wagner Almeida lança 'Domingos à Noite'

20 MAI 2019
20 de Maio de 2019

Lançado pela Geração Perdida, "Domingos à Noite" (2019) é um disco que fala sobre silêncios e distâncias, continuando o estilo narrativo de seu anterior, "Crescimento/Desistência" (2018). No disco, Wagner Almeida conta novas histórias e fala mais sobre si mesmo e sobre suas relações com seus amigos e família. O álbum tem característica mais calma, contando com uma forte presença de violão, e contendo apenas uma faixa com bateria. 

É uma espécie de rock alternativo, que passeia pelo emo, slowcore, folk, indie, e conta com experimentações eletrônicas realizadas por João Carvalho (Sentidor). São gêneros distintos, porém, se ligam através da estética lo-fi do artista. As letras discorrem sobre momentos cotidianos e simples, trazendo uma carga emocional forte sobre os fatos. O jovem de 20 anos mescla situações de grande intensidade (como em Risco) com outros de sutileza (como em Eu Não Vou Durar).

As influências passam pela sonoridade de artistas mais novos, como (Sandy) Alex G, Julien Baker, Frankie Cosmos e Gia Margaret, mas Wagner também bebeu da fonte de grandes compositores como Elliot Smith, Phil Elverum (The Microphones/Mount Eerie) e Mark Kozelek (Sun Kil Moon), além de se inspirar nas características caseiras e sinceras dos últimos trabalhos de seu companheiro de coletivo Fernando Motta e dos paulistas Marchioretto e Theuzitz.

O lançamento é marcado por um leve pessimismo e sentimento de preguiça de uma segunda feira que está por vir. Seus desabafos e suas interações (ou a falta delas) com as pessoas a sua volta resultaram nas 8 músicas do álbum.


1- Silêncio/Distância (part. Sentidor)
2- O Cão e a Raposa
3- Risco (part. Sentidor)
4- Férias
5- Domingo (part. Luiz Alvim)
6- Cocada
7- Toda-Azul
8- Eu Não Vou Durar (part. Sentidor)

A maior parte da gravação foi conduzida por Gabriel Elias, em uma de suas primeiras experiências com captação de áudio, enquanto algumas faixas específicas foram gravadas em casa pelo próprio Wagner, com um celular Galaxy J5. A bateria foi captada por Fernando Bones no Estúdio Pato e a mixagem/masterização foi feita por João Carvalho.

Todas as composições, vozes, guitarras e baixos foram feitas e executadas por Wagner Almeida (com exceção da letra de "Domingo"). A bateria de “Cocada” foi feita e executada por Silvia Fortini. Participações especiais: Sentidor (Silêncio/Distância, Risco e Eu Não Vou Durar) e Luiz Alvim (Domingo). Arte da capa por Julia Kürten (@kurirro no instagram).


Por Geração Perdida de Minas Gerais.
Foto: Bruno Queiroz

Voltar

Confira as nossas redes sociais

Tenha também o seu site. É grátis!